domingo, 28 de outubro de 2007

Visitas familiares

Ciao!


No período entre 19 e 27 de Outubro, os meus pais e o meu irmão resolveram fazer uma visita à cidade de Roma e, já agora, ver o que é que eu ando a fazer por cá.

Aproveitei então para gastar mais uns dias de férias e acompanhá-los nas várias visitas a Roma. Como pagamento pelas visitas guiadas aceitei algumas iguarias portuguesas confeccionadas pela minha mãe ao longo da semana. :)

Foram também trazidas, de Portugal, algumas oferendas: alguns belos dióspiros, umas quantas garrafas de Super Bock, uma jeropiga vinda dos confins de Macedo de Cavaleiros e uma embalagem de Nestum. Desde já muito obrigado por todas elas. Algumas serão bastante úteis na divulgação da nossa cultura junto do pessoal da ESA, enquanto que outras sevirão apenas para aumentar a diversidade de alimentos que passam pelo meu sistema digestivo.


Na sexta-feira, dia 19, com a chegada ao início da noite ao aeroporto, apenas deu para um jantar em Frascati, mais concretamente no Pinocchio, seguido de uma noite de descanso.


No sábado (20/10) fomos visitar o mais óbvio: o Coliseu. Em Roma há muita coisa que vale a pena ver, mas nada melhor do que começar por aqui, como já tinha constatado quando cá cheguei.
É aquilo que toda a gente quer ver e, apesar de todos já o terem visto (na TV, livros, internet), só nos apercebemos da sua imponência quando realmente lá estamos.

A família no interior do Colosseo.

Vista sobre a Piazza del Colosseo.

Colosseo.

O resto do dia foi preenchido com visitas a outras atracções do centro histórico, como o Fórum Romano, Palatino e a Piazza Venezia.

Palatino.

Foro Romano.

Monumento a Vittorio Emanuelle II, na Piazza Venezia.

O dia terminou da melhor maneira, com uns rojões para comer.


No domingo não nos deslocámos a Roma. Optámos por ficar a comer um belo Cozido à Portuguesa que, como todos sabem, pode-se ficar a comer durante todo o dia, que nunca mais acaba. Pobres italianos, que não sabem o que é bom...

Um belo Cozido.


Na segunda-feira foi dia de visitar mais alguns dos principais pontos de interesse de Roma. A Piazza Navona, com as suas belas fontes. O imponente Panteão, cuja fachada me mantém boquiaberto de cada vez que lá vou. E, já que fomos ao Panteão, era obrigatória a passagem pela Della Palma, a melhor gelataria que conheço.

Depois de passar pela Piazza di Montecitorio e pela Piazza Colonna, fomos atirar umas moedas para a bela Fontana di Trevi. Segundo a tradição, se atirar uma moeda hei-de voltar a Roma, se atirar duas apaixono-me por uma italiana, se atirar três caso-me com ela. Também já li algures que afiinal atirar as três moedas dá azar (será que as duas versões estão relacionadas?). Ora bem, quantas é que eu atirei mesmo???...

De seguida, a Piazza di Spagna e as famosas escadas espanholas, onde nos deparámos com um Aston Martin DB9. Apesar da quantidade de grandes carros que se vêm por cá, estes continuam a ser raros. Mais uns minutos de caminhada, e chegávamos à Piazza Del Popolo, de onde voltámos para o carro. Não o DB9, mas anda lá perto.

Entre as visitas a todos estes monumentos, ainda entrámos em algumas basílicas (S. Andrea della Valle e Santa Maria sopra Minerva), que em Roma se encontram como caixas multibanco em Portugal, e vimos as ruínas de Torre Argentina, onde vivem quase tantos gatos como no ESRIN.

Piazza Navona.

Basilica di S. Andrea della Valle.

Largo di Torre Argentina.

Basilica di Santa Maria sopra Minerva.

Pantheon.

Della Palma.

Fontana di Trevi.

DB9 na Piazza di Spagna.

Piazza di Spagna.

Piazza del Popolo.

O modelo a seguir ao DB9.


Na terça-feira fomos, já de tarde, à Villa Borghese, para a minha primeira visita a um museu. É verdade, já cá estou há vários meses e ainda não tinha ido a nenhum. Fomos então à Galleria Borghese, onde é necessário reservar entrada com alguns dias de antecedência, para ver algumas obras-primas de Bernini, Canova, Rafael, Caravaggio, entre outros.

Para além das obras lá expostas, gostei bastante do edifício, ele próprio uma obra de arte. Em cada nova sala que entrava, o tecto chamava a atenção antes de tudo o resto.
Um belo museu, sem dúvida, que vale a pena visitar.


Na quarta-feira, dia de aniversário do meu irmão, fomos ao Vaticano para assistir à audiência semanal do Papa. Fomos, então, abençoados em várias línguas, e rezámos o Pai Nosso em latim. Sendo assim, a partir de agora, as fotos que eu tirar estarão abençoadas, visto que a minha máquina fotográfica também lá estava.

Para terminar bem o dia, depois de visitarmos mais uma basílica (Santa Maria Maggiore), fomos a um dos muitos pubs irlandeses de Roma (neste caso, o Fiddler's Elbow) para ver o Benfica-Celtic (já que os clubes irlandeses não chegam à Liga dos Campeões, este pub normalmente passa os jogos do Celtic). Depois de algum sofrimento, lá saímos do pub com um sorriso nos lábios, depois do Cardozo finalmente ter acertado com a baliza. :)

O Papa, na sua viatura, a passar por entre a multidão.

Piazza S. Pietro.

Basilica di Santa Maria Maggiore.


Na quinta-feira (25/10), voltámos ao Vaticano, mas desta vez para visitar os Museus do Vaticano. Calhou bem, porque só esperámos 30 minutos na fila até entrar. Mas depois estivemos lá dentro talvez umas 4h.

A quantidade de obras de arte que lá estão, bem como a sua qualidade, são brutais. É uma colecção fantástica, que inclui arte egípcia, assíria, grega, etrusca, romana, paleocristã, medieval, bem como obras mais recentes.

O que toda a gente quer ver é a famosíssima Capela Sistina, obviamente. Suponho que muita gente opte por fazer o percurso mais curto, culminando com meia hora a olhar para o tecto da capela. Mas há muito mais para além disso, e vale bem a pena passar lá várias horas para ver tudo com calma.

Musei Vaticani.

Musei Vaticani.

Musei Vaticani.

Musei Vaticani (O Pensador, com efeitos especiais do meu irmão).

Musei Vaticani.


Para finalizar as visitas guiadas a Roma, na sexta-feira voltámos ao Vaticano para visitar a Basílica de S. Pedro, visto que estava fechada no dia anterior.

É uma das quatro principais basílicas de Roma (San Pietro, Santa Maria Maggiore, S. Geovanni in Laterano e S. Paolo fuori le Mura), e é imponente, por fora e por dentro. O seu interior é fantástico, e de um valor incalculável, suponho, tendo em conta as obras de arte que lá se encontram.

Antes de nos irmos embora, ainda fui com o meu irmão até à cúpula (foram só 500 e tal degraus), para termos uma bela vista sobre Roma, a 120m de altura.

Pietá, de Michelangelo.

La cupola.

Il Baldacchino di San Pietro, de Bernini.

Piazza di San Pietro, vista da cúpula.

Vista sobre Roma.

No final do dia, houve ainda tempo para ir com o meu irmão a um grande concerto, no Palalottomatica: Dream Theater. Com os Symphony X a abrir, e bem, a noite, seguiu-se uma das melhores bandas da actualidade, na minha opinião, e de muitos outros, suponho. Ok, não gosto muito das músicas mais calmas, mas o resto compensa.

Foi uma das primeiras bandas de metal progressivo - um dos meus estilos musicais favoritos, actualmente - que conheci.

Apesar de, no passado, terem habituado os fãs a concertos de 3h, desta vez ficaram-se pelas 2h, não deixando de ser um concerto fantástico.


E assim foi. Se o estimado leitor chegou até aqui, dou-lhe os meus parabéns, porque deve ter sido uma seca do caraças. Pelo menos demorou bastante tempo a escrever isto tudo... :)


Ciao!

3 observação(ões) de carácter irónico ou mordaz:

Carla (Coimbra) disse...

Epá, tens de atualizar quanto ao modelo a seguir ao DB9!!!!!
LOOOOOOOLOLLOLOLOLOL
LOLOLOLOOLOLOLOLOOLO
LOLOOLOLOOL
O que tu sofres...

Carluxa
Beijolinhas

Cidchen disse...

Olá!

Nem te deves lembrar de mim.
Sou a Cidália... que tens no hi5 ;.)

Vi o teu endereço no teu profile e decidi dar uma vista de olhos. Muito interessante este teu blog!

Quando fores a Milão, avisa ;-)

Continuação de boa estadia por Itália.

Beijinhos

BENFICA FC disse...

Belas fotos.